29 de novembro de 2014

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA: OS NUTRICIONISTAS ESTÃO PRONTOS PARA PRESTAREM SOCORRO?

A dinâmica da sociedade moderna e as nossas criações nem sempre têm resultados positivos no nosso cotidiano, por vezes algo não sai como o esperado, foge à normalidade planejada e vide regra causa danos, alguns irreversíveis como a morte; a isso chamamos de acidente. Seja no trabalho, na rua, em casa, nenhum de nós estamos livres de sofrermos um sinistro e termos os nossos planos de vida totalmente alterados.

Geralmente quando alguém sofre algum acidente a sua vida fica nas mãos de profissionais e também de leigos, que necessitam prestar o primeiro atendimento com qualidade para que este bem maior seja garantido; os profissionais em geral, são os da saúde (médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem) e socorristas profissionais, tais como os bombeiros.

Segundo a Lei 8234/91, o Nutricionista é um profissional da saúde que atua através da Ciência da Nutrição, trabalhando com a interação homem-alimento, promovendo a qualidade de vida. Como todo profissional da área de saúde, a sua formação consiste no conhecimento da anatomia, fisiologia e das várias patologias que perturbam a homeostase do nosso organismo. Com o título, os profissionais estão aptos a usarem uniforme branco e gozarem das prerrogativas da profissão, mas se depararem com uma situação de urgência e emergência que necessita de atuação eficaz naquele momento, antes do socorro especializado, muitos não saberão o que fazer.

Atualmente as grades curriculares dos Cursos de Nutrição no Brasil (não identificamos nenhuma), não contam com a disciplina de atendimento em urgência e emergência, pasmem, os profissionais da saúde, os nutricionistas, não estão prontos a socorrer nem o seu funcionário que sofreu um acidente na Unidade de Alimentação e Nutrição, ainda que seja conter uma hemorragia até a chegada do socorro ou ensinar uma mãe a como desengasgar o seu filho que estava amamentando; o que assustadoramente contradiz o Código de Ética da profissão que no Capitulo IV, que trata da Responsabilidade Profissional, em seu Art. 6, inciso IV, diz: "prestar assistência, inclusive em setores de urgência e emergência, quando for da sua obrigação faze-lo." Aqui entendemos que é obrigação de todo cidadão, profissional ou não prestar socorro a quem precisa, mas essa responsabilidade recai com maior rigor a TODOS os profissionais da saúde. Aqueles que se consideram como tais não podem se eximir de prestar socorro a quem necessita.

Você sabe ensinar uma mãe 
a salvar um filho 
por engasgue com alimento?
É necessário que Lei que regulamenta a profissão e consequentemente as grades curriculares dos cursos de formação sejam imediatamente revistos para que os profissionais possam salvar vidas e ao invés de passarem vergonha ou serem considerados como inúteis em determinadas situações. Este é um tema controverso, porque existem inúmeros nutricionistas que escolheram a profissão por esta não lidar com "sangue", uma visão que acreditamos ser deturbada para alguém que é profissional da saúde e estuda o corpo humano.

Nutricionista: Você está pronto para prestar socorro a alguém ou auxiliar no setor de urgência e emergência no caso de uma grande calamidade pública? 

Por fim, pessoas em estado de vida ou morte não se alimentam, precisam ser salvas para continuarem se alimentando. Enquanto não ocorre alguma mudança é importante que os profissionais busquem por cursos complementares na disciplina.

VIDA: Bem maior!



Um comentário: